terça-feira, 17 de janeiro de 2017

My future self

Se fosse treinador (de jovens e não só) mostrava esta carta a todos os que começassem e relembrá-la-ia de vez em quando...
Boris Berian, há cerca de 3 anos trabalhava num McDonald's. No ano passado, foi atleta olímpico, campeão mundial indoo e ainda teve o desplante de desafiar a gigante Nike, por não aceitar os termos de renovação de contrato, sendo que a marca tentou até determinado ponto, bloquear a sua ida aos trials americanos, para conquistar o lugar nos Olímpicos.
Conseguiu um novo patrocinador, conseguiu que a Nike desistisse do processo, pela má publicidade que a marca estava a obter e conseguiu o tal feito de ser campeão mundial indoor e atleta olímpico! Mas não se esquece do seu passado!
Grande lição de humildade!
Inspiração!

A New Balance lançou esta campanha sobre o mesmo tema:


A carta que abaixo reproduzo, apareceu aqui.
Dear 80-year-old Boris,
I know it’s been a long time since you competed in the Olympics, but I hope you haven’t forgotten all of the mountains you had to climb to get there.
As an old man, I hope you’re not just staring at photos from Rio, remembering only the glory. I hope you still think about the struggle, too.
Do you remember the lunch rush at McDonald’s?
The smell of stale french-fry grease in the air, and the line of customers that seemed to go on forever — every single day? Remember the pissed-off looks on their faces when they thought you were taking too long?
I do. I still remember that deep fryer in the corner, and how the floors were always slick with oil residue, even after they had been freshly mopped. You’re lucky you were wearing those weird nonslip safety shoes they made everybody rock. You couldn’t have afforded any setbacks back then.
Just two years before the Rio Olympics, you were a 21-year-old college dropout, bagging fries.
Remember that feeling of standing behind the register all day, just waiting for the time to pass, waiting for your opportunity to clock out so you could go train by yourself? You knew, deep down, that flipping burgers and working the register was only temporary. It wasn’t your true calling.
You were meant to run. You knew, man.
But nobody else knew.
The customers at McDonald’s definitely couldn’t tell. Those people in line had no idea you were the fastest kid in your elementary school. Or that you had run the 400 meters in under 50 seconds in high school. They didn’t know that you won the 800-meter gold at the indoor and outdoor NCAA D-II championship your freshman year.
To them, you were just another kid who couldn’t keep his grades up, who dropped out of school, who moved back home with his mom. Who was doing this now, and probably would be forever.
They didn’t see greatness. They just wanted to make sure you didn’t forget that extra packet of barbecue sauce.
Can you still feel that relief of clocking out every night? Standing in the parking lot, waiting for a ride home from your friend since you didn’t even have your own car? After your shift was over, you’d power-nap for an hour, grab some food, then head out to the train tracks.
That’s where you went to run, all by yourself, out where you could be free from any distractions. You’ve probably found a way to block it all out of your mind by now, but I still sometimes think about it. It was a battle. I know some nights you felt like you’d be better off at home just relaxing, but you never once let yourself quit. You had to keep going, even though nobody was watching.
You’re lucky you had a coach who lectured you the way he did when you were young. Over and over, pounding it into your head that you had the potential to be something special on the track — and that it was up to you to make the most of that potential. It took a few years to finally sink in, but eventually those words were what got you through your eight-hour shifts.
As you kept training, you kept getting faster. First you were shaving seconds off of your sprint times, then tenths of seconds. But no matter how fast you ran, you never felt like it was fast enough. You had something to prove, even though there wasn’t a single person watching, aside from maybe the conductor of a passing freight train.
You had to be faster than everybody else. That was your mind-set.
Do you ever think about those walks home?
It probably doesn’t seem so bad now, but I still sometimes think of those nights when you’d barely make it home because you had pushed yourself too hard. You’d be so exhausted from the hours of sprinting that you weren’t really sure if your aching feet could carry you back to bed.
Then you would wake up, go back to work the next morning and do it all over again. You weren’t training for the Olympics at that point. You were just training. No particular career goal in mind, just something inside of you that made you have to run.
And it was hard. Days or even weeks would pass by where you thought all of the hard work might be for nothing. How many people are able to make a career out of running? In the back of your mind you thought you might have to become a policeman, or join the Army. Or become a firefighter like your mother once suggested, after that day she found out you had dropped out of college and called you in tears, begging you to get your life together.
You told her that you just needed some time, that you’d find a way to make it work eventually. She bought it at the time, but it’s hard to tell if she really believed you.
But she sure was proud when you got invited to train at Big Bear, wasn’t she?You ignored the first message on your voice mail. You weren’t sure if it was real or just someone playing a prank. You hadn’t competed in a real event in almost three years. You’re lucky you got called again the next day, and that the running coach on the other end of the line insisted on personally taking you under his wing to train.
How did he even know about you? A friend of a friend, he said. He made it clear that he believed in you, even though everyone else you had met at college thought you had pretty much fallen off the face of the earth.
You didn’t know what agreeing to train with him would even really mean at the time, just that it was probably less dangerous than training by yourself beside the train tracks every night.
“Work hard. Be positive.”
That’s what he kept telling you at Big Bear. That became your mantra. If you followed that advice it would all work out for you in the end. Do you still hear him saying it? I do.
It was echoing in your head when your plane landed in Rio.
I know you remember Rio, but do you remember the feeling of unpacking your bags in your room in the Olympic Village? That’s when you realized they could never take it away from you. Forever after, you were going to be known as an Olympian.
It was a long way from the McDonald’s inside the Colorado Springs Wal-Mart.
And it wasn’t the way you planned when you were a kid, back when running was just a hobby you enjoyed while you weren’t playing Halo in one of your friends’ basements.
It certainly wasn’t the path you had in mind when you were spending your days surrounded by fast food and angry customers.
But it really happened. Don’t just remember that you made it to the Olympics. Remember why.
And remember, the next time you’re standing in line for a coffee, or waiting at a drive-thru, take a moment to think about the person working there. Look them in the eye. Maybe even try to learn their name. Think back to the time when it was you who was standing on the other side of the window, faking a smile and handing out bags of food to strangers.
Because you never know. One of those strangers might be exactly like you. Just biding time, doing work before doing work, and trying to tap into their own greatness.
Sincerely,
Boris Berian
January 2017

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Break Free

Este anúncio nunca foi «para o ar»... puro erro da Adidas.
Feito por um estudante alemão de cinema, merece todo o crédito!
Brilhante!!!

sábado, 31 de dezembro de 2016

Balanço 2016

Vamos lá arrumar este 2016 pouco produtivo...
Comecei a correr com alguma regularidade a partir de 2003.
Tenho registos de treinos a partir de meados de 2007.
Superei a distância de 10k, a partir de 2011, quando ultrapassei pela primeira vez os 1.000km anuais.
Analisando este ano, constato o seguinte:
Distância
Desde 2011, segunda menor distância percorrida (1646k), claramente abaixo dos 2.000k projectados - melhores anos foram 2014 (kms) e 2013 (horas de exercício).
Para o fraco resultado, muito contribuíram os meses de Fevereiro (28k), Março (15k), Junho (79k) e Novembro (98k) - todos eles abaixo dos 100k.
Os melhores meses foram Agosto (262k - quando pensava ir à Maratona do Porto), Janeiro (213k) e Setembro (211), para se ter uma ideia da irregularidade de treinos.

Provas
43 provas para um total de 447,74km (c. 27% do total de km percorridos entre treinos e provas).
Trail - apenas 1 (Trail dos Palácios).
Meias-maratonas - apenas 3 e só uma (Moita/Ribeirinha), abaixo da 1:50.
20K - 3 provas, com resultados fracos. Nenhuma abaixo de 1:45.
15K - 2 provas, igualmente fracas. Acima de 1:20.
10K - 18 provas, das quais 10 abaixo dos 50' e destas, 5 obtidas no mês de Dezembro!
Abaixo de 10K - 14 provas
5K - 2 provas, com resultados medíocres - acima dos 24'
3K - 3 provas, todas elas no minuto 13. No entanto, fiz o melhor tempo alguma vez obtido numa prova desta distância: 13'03 nas Noites Quentes do Restelo, em Outubro, e com uma prova de 10K abaixo dos 50' nesse mesmo dia (Corrida do Pirilampo Mágico)

Resumindo, conjunto bastante fraco de resultados, para o número habitualmente exagerado de provas.
Apenas um recorde pessoal batido (3K) e alguns recordes de prova igualmente batidos, mas muito aquém do que tinha previsto para este ano.
Em 2017, o objectivo será melhorar estes registos, mas para tal preciso de uma mudança radical de comportamentos (consistência de treinos, redução do número de provas, fazer treino cruzado e não apenas corrida...).
Fica o vídeo da app Strava, que complementa o gráfico acima da Veloviewer.
video

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Preparação São Silvestre Lisboa

Todos os anos, desde a sua génese em 2008, vou aos treinos de preparação da São Silvestre de Lisboa.
Descontraídos, bem organizados e sempre bem-dispostos, são estes momentos.
Encontro os meus Amigos da corrida e é mais uma hipótese de estar com a "tribo".
Infelizmente falhei o primeiro treino deste ano, por razões familiares, mas estive presente no segundo (apesar de atrasado).
Fiz quase todo o treino com o Paulo Amorim, meu Amigo e companheiro de tantas batalhas...
Foto de Gustavo Figueiredo
Trocámos umas palavras com o sempre diligente e já Amigo de longa data Hugo Miguel Sousa, responsável pela organização da prova e garantia de qualidade inigualável em Portugal.
A surpresa de hoje foi encontrar a minha «carantonha» num "cartaz" promocional da São Silvestre e logo com uma frase que me define: "Quanto mais corro, maior é o meu sorriso"!
Nada podia corresponder mais à verdade!
Aqui o vídeo do último treino:

El Corte Inglés São Silvestre de Lisboa 2016 | Treino 02 from HMS SPORTS on Vimeo.
Sábado há mais!

domingo, 11 de dezembro de 2016

59.º Grande Prémio de Natal

Nove anos depois do meu primeiro GP Natal, continuo a fazer esta prova que tantos percursos já teve.
Este ano, pensei que iria voltar ao primeiro percurso, com partida junto ao Hospital da Luz e entrada quase imediata na Segunda Circular.
Bem enganado estava...mas já lá vamos...
Prova inserida na participação dos LeYatletas e que conta já um grupo extenso de Y's!
LeYatletas
Com a concentração do grupo, praticamente não aqueci, mas valeu pelo convívio.
LeYatletas


 Ao contrário do que esperava, a partida foi dada no mesmo local da Corrida do SLBenfica. E o percurso era mais similar ao da Corrida da Liberdade, do que ao tal primeiro GP que referi acima.
Partimos muito atrás e isso obrigou a uma gincana/slalom constante. Fase inicial durinha com várias subidas e que só estabilizou com a passagem pelo Campo Grande. A partir daí tínhamos os túneis...
Abastecimento muito afunilado.
Apesar de todas as circunstâncias, estava a conseguir o objectivo de fazer abaixo dos 50'  (mesmo com um primeiro km muito lento por causa do «entupimento de tráfego») e com o secreto desejo de baixar dos 48'.
A descida a partir do Saldanha ajudou bastante.
O Garmin 735XT que estreava nesta prova, acabou por não se revelar a melhor escolha porque perdeu sinal dos satélites nos túneis.
Chego ao Marquês ainda com «combustível» para dar mais qualquer coisa...
Foto de Fernanda Silva
Encontro o José Pedro, tio do Pedrito, cumprimento-o mas passo-o em aceleração...
Continuo a acelerar e eis qual não é o meu espanto, quando me aparece o José Pedro ao lado, a dizer: «vamos acabar isto juntos e tirar uma foto!» Fortíssimo, tem mesmo treinado a sério, como me dizia na semana passada.
A chegar à meta, levanto-lhe o braço! Bem merece!
Foto de Armindo Santos
Pousamos para as tais fotos da praxe. Encontro o JBicho, o PSobral e o WRodrigues.
Prova superada!
Os LeYatletas bateram na maioria dos casos, os seus tempos! Parabéns a todos!
O registo do Garmin dá-me distância inferior aos 10K, mas deve ser dos túneis.
Resultado final: o melhor registo do ano! Consegui regressar ao minuto 47'!!!
Com a alegria de ter conseguido ultrapassar mais de 500 corredores na segunda metade da corrida!
Nada mau!
Ano concluído em termos de performance.
Seguem-se as últimas 5 provas do ano, mas sem objectivos de tempo.
Agora é só mesmo para divertir!


terça-feira, 25 de outubro de 2016

T-39

Faltam 39 dias para a Meia Maratona dos Descobrimentos.
Hoje o treino foi em modo expresso: 30 minutos!
Ando a reler todos os artigos de Frank Horwill. Como não tinha nada planeado e quero chegar bem ao Challenge 3000, decidi fazer um treino rápido mas que tivesse efeito no Vo2Max.
Assim, peguei num treino do fisiologista Astrand, descrito por Horwill: 10'' em Vo2Max, com 20'' de recuperação, repetido durante 15 minutos (30 repetições), na pista do Estádio de Honra.
No final, a foto da praxe para o Instagram com o agradecimento a São Pedro, por ter estado tão bom tempo:

Just... #carregasousa #tracktuesday #adorocorrer #xpressrun

domingo, 23 de outubro de 2016

4.ª Corrida Montepio

Depois de duas semanas com um único treino, receava como o corpo se iria comportar nestes 10K.
Prova que inicialmente estava pensada para me aproximar das melhores marcas, deitei a perder quando parei estas duas semanas.
Ideia inicial era encontrar-me com os LeYatletas no Rossio, mas infelizmente todos se atrasaram. 
Valeu pelos longos minutos de conversa com o Hugo Sousa da HMS. Extremamente profissional, o Hugo falou-me de vários aspectos da organização (e de novos desafios), que se mantém ao nível da excelência, padrão a que já estamos habituados por esta grande equipa.
Aquecimento e lá entrei para os sub-60. Infelizmente esqueci-me de enviar o comprovativo de tempo e, como tal, tive de sair com boa parte do pelotão. 
Deu para encontrar o Renato e estivemos à conversa nos minutos que faltavam para a partida.
Essa foi dada sem qualquer problema, alguns minutos depois dos escalões mais rápidos. Não apanhei, ao contrário do que pensava, os habituais caminhantes e consegui de imediato colocar-me no ritmo que tinha apontado sub5'/km. 
Restava saber como iria «falar» o corpo. Afinal, foi bem melhor do que pensava... 
Vou galgando posições e começo a cruzar-me com Amigos (dos Run Lovers, RB's, José Silva, Belém Runners...), vou gritando por todos eles :)
Foto de José Silva
Vou-me sentindo muito bem... em determinada altura já ia a 4'45 e decidi baixar para não ter dissabores na parte final... até porque a partir dos 6K, a perna direita começou a prender e não conseguia fazer a passada por completo.
Foto de Luís Duarte Clara
Desta vez, sem música... fomos bafejados com uma banda ao estilo Kusturica que forneceu o boost que necessitava para os kms que restavam...
Até ao fim, foi gerir o ritmo... passar o Arco da Rua Augusta...
Run 4 FFWPU
e festejar a marca de 48'26 (tempo de chip - apesar de o meu GPS anunciar menos 90 metros da distância dos 10K) - segundo melhor tempo do ano! E com split negativo, apesar do problema na perna direita. Verdadeiramente surpreendido!

Depois foi celebrar com os Amigos...
José Silva
e apoiar os LeYatletas que faltavam...

No Instagram, a foto da praxe com uma mensagem para o meu pai:
Pai, hoje acho que foi como tu, na tropa. Depois de duas semanas com um único treino, fazer 48'28, só pode ser do que levava calçado! :) #bateestradas#adorocorrer #carregasousa #10k #class73 — at Avenida da Liberdade.
Instagram PSousa73
Para quem não sabe, a alcunha de tropa do meu Pai e que passou a ser o nome deste blogue é Bate Estradas. «Reza a lenda» dos seus companheiros de armas que por onde ele passava nunca rebentavam minas e tal se devia às suas botas... Hoje os meus Streak também deram uma ajuda :)